ÍNDIOS VOLTAM A SOFRER AMEAÇAS NA REGIÃO DE FRONTEIRA

Informativo urgente de Aty Guasu, na última semana de 2014, a ameaça de morte às lideranças e comunidades Guarani e Kaiowá por fazendeiros 
recomeçam no sul de Mato Grosso do Sul. No tekoha Guaiviry- Aral Moreira entre o município de Ponta Porã-MS, o filho de cacique Nisio Gomes, GENITO GOMES e professor indígena DANIEL sofreram cerco e ameaça de morte por fazendeiros. Segundo Genito Gomes, o professor Daniel, um carro que percorreu por dentro das fazendas Maranata, Querencia Nativa, Chimarrão e Água Branca parou em frente à entrada da área indígena, só dois (02) homens armados desceram do carro e abordaram o professor Daniel forçando o para subir no carro, ameaçando prendê-lo. Os líderes Genito e Daniel reagiram e resistiram às ameaças, no momento os guerreiros e guerreiras foram acionados e já cercaram também para prender os pistoleiros das fazendas, e os pistoleiros foram embora correndo. Todos os guerreiros Guarani e Kaiowa se encontram em estado de alerta e com medo de novas ameaças e de ataques às comunidades por pistoleiros.
De forma igual, na entrada do tekoha Kurusu Amba-município de Coronel Sapucaia-MS, as comunidades e lideranças Guarani e Kaiowa sofrem cerco e a ameaça de morte por pistoleiros das fazendas e a entrada da tekoha em litígio Kurusu Amba é vigiada pela viatura de polícia militar, os policiais militar abordam somente os indígenas enquanto os pistoleiros da fazenda não são revistados.
Durante o mês de dezembro de 2014, as comunidades e lideranças de todos os acampamentos indígenas Guarani e Kaiowa tekoha sofreram ataque e ameaça de morte por pistoleiros, mas os guerreiros e guerreiras Guarani e Kaiowa reagiram e resistiram às violências dos pistoleiros, se confrontando com pistoleiros. No dia 16/12/2014, quatro (04) pistoleiros “seguranças particular” das fazendas atacaram às comunidades indígenas de tekoha Tey’i Juçu-Caarapó, os guerreiros Guarani Kaiowa prenderam e desarmaram os 04 pistoleiros e foram entregues à Polícia Federal. Uma liderança relatou “antes mesmos de massacrar ninguém prendemos e desarmamos os 4 pistoleiros fortemente armados” “eles não feriram ninguém por isso voltaram bem também”, “só entregamos à polícia federal, já avisamos à PF e aos 4 pistoleiros das fazendas, que a partir de hoje, vai ser assim, os guerreiros Guarani e Kaiowa não vão mais assistir ao ataque pacificamente, vai prender os pistoleiros”.
No final de dezembro de 2014, entorno de tekoha em conflito aconteceram vários episódios de tiroteios a uma distância que a comunidade pudesse ouvir. Diante desses fatos, comunicamos a todas as autoridades federais que há risco iminente de acontecer pior confronto no sul de Mato Grosso do Sul, visto que os indígenas decidem em se proteger do ataque e das ações dos pistoleiros das fazendas. O governo federal precisa proteger os povos e terras indígenas, conforme a Lei Federal/88 e é buscar solução urgente para a demarcação das terras indígenas Guarani e Kaiowa.

OBS,
Durante a discussão na Assembleia Geral Aty Guasu os guerreiros escutaram os tiros de armas de fogos dos fazendeiros ,em vez de recuar eles avançam em direção dos tiros, é tensa a região de Kurusu Amba. Há iminente risco de confronto. As pessoas idosas pedem aos jovens para protege-las
AMAMBAI  31 de Dezembro de 2014