PM para em MS por Reajuste da Inflação e Infraestrutura para Segurança

PM para em MS por Reajuste da Inflação e Infraestrutura para Segurança

Categoria não tem o mínimo para o enfrentamento ao crime; são coletes balísticos vencidos e metade das viaturas estão encostadas em oficinas, em Dourados

Policiais militares de Mato Grosso do Sul fazem operação padrão para alertar o Governo do Estado sobre a precária condição de trabalho das corporações, que são cobradas a manter a ordem pública. O Dia de Alerta ocorre em Dourados, Campo Grande e demais municípios do Estado.

O Major PM Rozene, 43 anos de idade e 22 de polícia, explicou que a categoria reivindica reposição do índice de inflação de 11% que, segundo explica, é abaixo do percentual total acumulado nos últimos meses.

Eles levam em conta o que o Governo sustenta, de que já antecipou a data-base em dezembro de 2014. Embora a categoria não concorde com a afirmação, resolveu manter o percentual abaixo do ideal para corrigir as perdas inflacionárias.

A categoria trabalha hoje com a sobrecarga da falta de infraestrutura. Nas ruas, o enfrentamento de alto risco não conta com o mínimo para a proteção do policial. São coletes balísticos vencidos, ou seja, que já perderam a capacidade de proteger. Se os coletes não estiverem adequados, o policial militar não tem como se proteger, disse o sargento PM Jackson.

Em Dourados, por exemplo, pelo menos metade das viaturas estão encostadas em oficina porque o governo não libera recursos para a recuperação dos veículos que poderiam estar nas ruas, para atender a população. Além disso, as forças de segurança cobram investimentos em tecnologia e para as sedes.

"No quartel, em Dourados, a reforma já quase em fase de conclusão não ocorre com verba do governo do estado, mas, sim, com recursos destinados pelo Ministério Público do Trabalho graças a um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com devedores de ações trabalhistas", conta Major Rozene.

O oficial PM diz que, durante a paralisação de 12 horas, pelo menos 70% dos PMs permanecerão em instrução no quartel. "Tem viaturas rodando, policiais nas ruas, e estamos de prontidão para atender ocorrências graves", disse nesta manhã.

O presidente da Associação dos Oficiais Militares Estaduais de MS, (AOFMS), Alírio Villasanti, enfatiza que hoje será um dia de alerta. "Em um período inicial de 12 horas, só atuaremos no exato limite de nossas atribuições preventivas e dentro das condições que nos são disponibilizadas pelo Estado", informou a associação em nota.

Por outro lado, o Governo do Estado anunciou ontem que adquiriu mais 230 novas armas para a Polícia Militar. Ao todo foram investidos quase R$ 1 milhão de recursos próprios, para a compra de fuzis e espingardas que serão entregues na próxima segunda-feira, dia 30 de maio.
FONTE: DouradosAgora

Dourados/MS, 24 de Maio de 2016