OPERAÇÃO DA SEJUSP MOBILIZA MAIS DE 500 HOMENS

OPERAÇÃO DA SEJUSP MOBILIZA MAIS DE 500 HOMENS DURANTE PENTE FINO NA PED EM DOURADOS
150 policiais do Batalhão de Choque da Policia Militar e 400 militares Exército brasileiro, iniciaram na madrugada dessa quarta-feira (17) a operação Poty Poran (Portas Fechadas), ocupando a Penitenciária Estadual de Dourados – PED, com a finalidade de fazer a retirada de objetos ilegais do interior das celas, como armas, drogas e telefones, esse, que é a ferramenta principal usada para a continuidade de ações delituosas fora dos presídios, dessa forma  desarticulando prováveis ações de facções criminosa.
O apoio logístico e tecnológico da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de Dourados, foi fundamental durante a operação, sendo utilizados detectores de metal e scanners, equipamentos esses que fazem parte do SISFRON (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras).
Foram utilizados ainda na varredura das celas, cães farejadores pertencentes ao Canil da Policia Militar.


Durante a ação que iniciou as 4h de hoje e durou pelo menos 12 horas, foram vistoriados os todos raios da Penitenciária, com a utilização do efetivo que integrava a operação e ainda 40 Agentes Penitenciários da PED, obtendo os seguintes resultados:  apreensão de 1,5 quilos de drogas, sendo maconha, crack e cocaína; 432 armas artesanais que poderia ser utilizada contra presos ou agentes penitenciários e 25 celulares.
O Secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública do MS, o Deputado Estadual licenciado José Carlos Barbosa, disse na coletiva a imprensa que ocorreu as 16h, que a ação é mais uma das etapas preventivas realizadas pelo governo do Estado para garantir a segurança nos estabelecimentos penais de MS e tem como principal apoiador logístico e tecnológico, o Exército Brasileiro, através do SISFRON.
“Todos os recursos empregados e materiais apreendidos na Operação Poty Poran, realizada na PED em Dourados, são muito importantes não somente pelos números, mas também pela demonstração de força do Estado, gerando prevenção e inibindo possíveis ações, tanto internas quanto externas, de facções que atuam nas penitenciárias e presídios do estado